Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Marlene - Bonequinha yê-yê-yê (Carnaval 1968)

Marlene é uma veterana do carnaval e fez história na época de ouro do rádio brasileiro

O compacto de hoje é da Marlene, uma veterana dos carnavais, que em 1967 gravou a marchinha “Bonequinha yê-yê-yê” em pleno embalo da Jovem Guarda. No lado B do disco, a cantora interpreta o samba “Fantasia de arlequim”, uma obscura e bonita gravação da paulista Victória Bonaiutti, seu nome de batismo. Ela nasceu em 22 de novembro de 1924 e foi casada com o ator Luís Delfino. A cantora e atriz, junto com Emilinha Borba, foi um dos maiores mitos do rádio brasileiro em sua época de ouro. Segundo o Wikipedia, sua popularidade nacional também resultou em convites para o cinema (onze filmes depois de Corações sem Piloto, de 1944) e para o teatro (cinco peças após Depois do Casamento, em 1952), tendo também trabalhado em cinco revistas depois de Deixa Que Eu Chuto (1950).

Suas atividades internacionais incluíam turnês pelo Uruguai, Argentina, Estados Unidos (onde se apresentou no Waldorf-Astoria Hotel e em Chicago) e França (apresentando-se por quatro meses e meio no Teatro Olympia em Paris, a convite de Édith Piaf, que a vira no Copacabana Palace, no Rio). Começou a carreira em 1943, cercada pela desaprovação por parte da família, quando partiu para o Rio de Janeiro, onde, após ser aprovada no teste com Vicente Paiva, passou a cantar no Cassino Icaraí, em Niterói. Também se apresentou no Cassino da Urca, Boate Casablanca, Copacabana Palace e passou a atuar também na Rádio Mayrink Veiga e na Rádio Globo. Nesse ínterim, já se tinha dado sua estreia no disco, pela Odeon, em meados de 1946, com as gravações dos sambas "Suingue no morro" (Amado Régis e Felisberto Martins) e "Ginga, ginga, moreno" (João de Deus e Hélio Nascimento).

Foi no carnaval do ano seguinte que Marlene emplacou seu primeiro sucesso, a marchinha ”Coitadinho do papai” (Henrique de Almeida e M. Garcez), em companhia dos Vocalistas Tropicais, campeã do concurso oficial de músicas carnavalescas da Prefeitura do Distrito Federal. E foi cantando esta música que ela estreou no programa César de Alencar, na Rádio Nacional, com grande sucesso, em 1948. Marlene se tornaria uma das maiores estrelas da emissora, recebendo o slogan "Ela que canta e dança diferente". Em 1949, foi eleita Rainha do Rádio com 529.982 votos. Ademilde Fonseca ficou em segundo lugar, e Emilinha Borba, dada como vencedora desde o início do concurso, ficou em terceiro. Desse modo, originou-se a famosa rivalidade entre os fãs de Marlene e Emilinha, uma rivalidade que, de fato, devia muito ao marketing e que contribuiu expressivamente para a popularidade espantosa de ambas as cantoras pelo país, principalmente durante o carnaval. Confira:

01 – Bonequinha yê-yê-yê
..... (João Roberto Kelly)
02 – Fantasia de arlequim
..... (Paulo Soledade – Augusto Mello Pinto)


4 comentários:

  1. http://www.4shared.com/rar/4brzP9Nj/200_-_MARL.html

    ResponderExcluir
  2. Graciosamente mais uma demonstração da versatilidade dessa intérprete..MARLENE é definitivamente a MAIOR!

    ResponderExcluir
  3. a canção FANTASIA DE ARLEQUIM foi um grande e inesquecivel sucesso de Marlene

    ResponderExcluir
  4. a canção FANTASIA DE ARLEQUIM foi um grande e inesquecivel sucesso de Marlene

    ResponderExcluir